100 reais em 1994 valem 13,91 reais; inflação destrói renda do brasileiro

0

Apesar de ganhar força na pandemia, inflação é uma palavra que assombra os brasileiros há décadas. Representa um aumento geral dos preços de bens e serviços em uma economia, que na prática é sentido quando o poder de compra de uma população acaba por diminuir.

Para entender como a importância da palavra é óbvia e afeta a situação financeira das pessoas, uma nota de 100 reais não pode mais comprar tanto nos dias de hoje.

Em relação a julho de 1994, quando o valor da nota foi adquirido por 13,91 reais. Nos últimos 28 anos, a taxa de inflação acumulada não foi inferior a 653%.

Mas o isso quer dizer?

Em suma, a desvalorização do real mostra que para comprar a mesma coisa que se comprava por 100 reais na década de 1990, agora custa 748 reais.

Os dados foram trazidos por Bruno Imaizumi, economista da LCA Consultores. Neles, pode-se perceber o quanto o poder aquisitivo da população brasileira diminuiu ao longo do tempo.

Inflação no Brasil

A renda dos trabalhadores brasileiros não diminuiu devido à inflação. Por exemplo, pagar por alimentos básicos, transporte e combustível pode não ser possível hoje. Em alguns estados, o gás de cozinha sai por 130 reais, enquanto um litro de gasolina ainda custa 7 reais.

No que diz respeito às cestas básicas que compõem as necessidades alimentares, dados do Departamento Intersindical de Estatística e Pesquisas Socioeconômicas (Dieese) mostram que são pagos 777 reais para a faixa do estado de São Paulo.

“Tivemos momentos em que a inflação está acima de 10%, houve alguns picos, mas nada saiu do controle. A queda do poder de compra é normal em qualquer país, então as pessoas precisam buscar investimentos”, explica Rafel Bevilacqua, estrategista-chefe na Levante Investimentos e formas de se proteger dessa perda.

O economista destacou ainda que existem vários pontos da economia que estão relacionados à inflação, como os salários das pessoas e os contratos de aluguel. O melhor a fazer é desindexá-los para facilitar a queda dos preços altos, o que, segundo Bevilacqua, pode não ser fácil de colocar em prática hoje.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Ler Mais