fbpx

Dicas para negociar dívidas e sair do vermelho

Publicidade

O endividamento é uma doença crônica que ataca a muitos. Se você está enfrentando um monte de dívidas, não se desespere. É possível negociar dívidas e sair do vermelho se você estiver disposto a perguntar e seguir algumas etapas simples. Este artigo vai fornecer as ferramentas necessárias para ajudar você a negociar as suas dívidas e colocar a sua saúde financeira de volta nos trilhos.

Primeiro, é importante que você faça um balanço de quanto deve e quem deve. Estabelecer uma lista de suas dívidas e começar a entender o que tem sido ou não pagado é um primeiro passo importante. Depois de ter uma noção clara da situação, você pode começar a considerar estratégias para resolver seu endividamento.

Quando se trata de estratégias de negociação, há alguns métodos diferentes que você pode perseguir. Você pode tentar conseguir um acordo de pagamento com o seu credor, renegociar a taxa de juros ou pedir uma condição especial. O caminho escolhido vai depender de diversos fatores, como as circunstâncias específicas da sua dívida.

Quais as realidades das condições financeiras de muitos cidadãos brasileiros

No Brasil, a realidade financeira das pessoas sofrem uma grande oscilação nos últimos anos. A maioria das famílias possui níveis baixos de renda e de poupança, sendo a grande maioria das desigualdades econômicas encontradas no país. Existem mais de 13 milhões de brasileiros que vivem com rendas inferiores a um salário mínimo, que atualmente é de R$ 1.320,00.

Uma evidência desta condição é a perda de renda real entre 2006 e 2016 de 13,1%. Nesse período, a renda das famílias também não acompanhou a inflação e com isso, a maioria dos brasileiros não consegue acompanhar o custo de vida em expansão, gerando assim um desfasamento da realidade de fato.

Além disso, segundo dados do IBGE, a poupança média das famílias brasileiras é de aproximadamente 1,6%, enquanto para a maioria dos países desenvolvidos a média é de aproximadamente 10%.

Desta forma, fica evidente que as condições financeiras das famílias brasileiras são, e vem sendo cada vez mais, precárias. Sendo assim, é de responsabilidade do Estado e da sociedade criar soluções para melhorar as condições financeiras dos cidadãos.

8 Dicas para negociar dívidas e sair do vermelho

1. Estabeleça um orçamento: Faça um orçamento realístico e estabeleça limites nas suas despesas – sabendo exatamente quanto você pode gastar em cada área.

2. Converse com seus credores: Converse com seus credores e explique a sua situação. Possivelmente, eles podem lhe oferecer opções de reembolso diferentes para facilitar os pagamentos.

3. Negocie seu pagamento: Considere a possibilidade de negociar seu pagamento com seus credores, reduzindo a taxa de juros e a dívida original.

4. Peça uma extensão no prazo: Peça aos seus credores para estender o prazo de pagamento de suas dívidas. Isso permitirá que você pague a dívida em parcelas menores.

5. Contrate uma empresa de suporte financeiro: Uma empresa de suporte financeiro pode ajudá-lo a desenvolver um plano de pagamento e negociar com seus credores.

6. Considere um empréstimo pessoal: Tome empréstimo de um banco ou de outros credores. Use o empréstimo para liquidar suas dívidas e assuma as taxas consideravelmente menores.

7. Modifique suas contas de cartão de crédito: Se necessário, converse com os gestores de seu cartão de crédito para reescalonar os pagamentos da sua fatura ou, se possível, ter algumas parcelas perdoadas.

8. Controle e faça os seus pagamentos em dia: Controle as cobranças e nunca atrase o pagamento. Se necessário pedir ajuda a um advogado para não cair em descumprimento de cláusulas contratuais.

A importância de resolver nossas questões financeiras

A saída das condições ruins financeiramente falando é importantíssima para aumentar a estabilidade financeira de uma pessoa e da sua família. Um dos primeiros passos para criar estabilidade financeira é estabelecer e gerenciar um orçamento para determinar como os rendimentos serão aplicados e determinar se os custos são acompanhados.

Uma vez que as despesas indesejadas sejam reduzidas, é possível criar um colchão de segurança com as finanças. Esse colchão pode servir como reserva financeira para desastres inesperados e encorajar o investimento em opções com retornos úteis.

Agora que o orçamento é estabelecido e o colchão financeiro criado, é hora de se concentrar em poupar e investir. É importante determinar como esses recursos serão aplicados para tornar os serviços econômicos capazes de gerar ganhos sólidos.

Investir também ajuda a diversificar e aumentar os financiamentos contratados, que expandem o alcance dos serviços em dinheiro e aumentam o bem-estar financeiro geral. Por último, mudando suas finanças está a realização e o cumprimento de objetivos financeiros mais altos.

E você está no caminho para uma estabilidade financeira, deve lembrar de nunca desistir do que foi estabelecido e de manter a disciplina.

Quais os benefícios de ter uma vida sem dívidas

1. Menos estresse: Lidar com dívidas e tentar gerenciá-las pode aumentar os níveis de estresse da pessoa. A boa notícia é que, quando você se livra das suas dívidas, você também pode se livrar desse estresse.

2. Mais paz mental: Esse é um benefício imediatamente óbvio. Quando você está sob dívida, constantemente há perguntas sobre como você as pagará e seu dinheiro será suficiente para isso. Estar livre dessas preocupações significa que você pode desfrutar de mais paz mental.

3. Mais liberdade financeira: Sem dívida, você saberá exatamente quanto dinheiro tem a necessidade de gastar, sem ter que se preocupar com os pagamentos mensais da dívida. Isso, por sua vez, dá mais liberdade e flexibilidade em suas finanças.

4. Maior clareza financeira: Como o acima, quando se está livre de dívida, há um nível de natural clareza em relação às suas finanças que simplesmente não pode ser obtido enquanto se está endividado. Você terá uma visão muito melhor de como é a sua saúde financeira real.

5. Melhorar suas opções financeiras: Sem dívidas, há potencialmente muito mais financiamento disponível para você. Se houver algo sobre o qual você quiser gastar, você pode facilmente obter um empréstimo, se necessário.

6. Maior capacidade de desfrutar dos recursos: Quando você não está pagando as dívidas mensalmente, há mais recursos a serem desfrutados. Se você quiser aproveitar mais viagens, atividades e obter aqueles presentes caros, nada o impediria.

7. Segurança financeira: Quando você está livre de dívidas, seu orçamento fica bem mais flexível. Se algo inesperado acontecer, como a perda de emprego, você pode facilmente lidar com isso com as economias que possui.

Leia também| Como investir em ações sem medo de perder dinheiro